Dinamarca
Intérprete(s): Rasmussen
Tema: Higher Ground



Adão Nogueira - A Dinamarca surge este ano com uma proposta nada comercial interessante. O instrumental começa misterioso, tornando-se mais étnico com a entrada da bateria no primeiro refrão. Vai crescendo à medida que se ouve, o que faz com que capte a atenção e se aguarde pelo que estará pra vir. Com uma letra bem conseguida e que nos leva para os tempos de guerra. A presença em palco dos backing vocals ajudam a tornar a atmosfera e apresentação misteriosa e a elevar esta apresentação.

10 ponto


Francisco Branco - De entre as canções que estavam a concurso no festival da canção dinamarquês esta era, sem dúvida, a minha preferida. Apesar de ter todos os “clichés” eurovisivos que se poderiam esperar, acho que esta música se enquadra perfeitamente no tema desta edição – o Mar – e fazia falta uma proposta como esta que nos remete para as odisseias marítimas. Não acho que a voz do Rasmussen seja propriamente muito forte. A Dinamarca irá atuar na segunda semi-final, pelo que terá a vida mais facilitada. Já na grande final não creio que consiga uma posição dentro do Top 15, mas a ver vamos. Pontuação: 7

7 pontos


Hélder Simões - Aqui está ele o nosso viking. Não gostei, achava isto muito “wanna be” cultural. Hoje vejo a beleza por detrás do monstro que esta música é. A voz, a melodia, o coro, o ambiente em palco. Chega a assustar e isso é bom, emerge-nos completamente na música. Porém é um pouco longo, esse é o motivo da minha votação. A Eurovisão necessitava de algo assim, e aqui está a Dinamarca a servir qualidade. Muito obrigado e voltem sempre, dessa forma!

5 pontos


Luís Florindo - A Dinamarca tem uma canção que foi recusada no Melodifestivalen 2018. A imagem sombria do intérprete e do coro com toques de vikings em palco para mim simplesmente não resulta. Eu vejo esta canção na Eurovisão há 10 anos atrás e até talvez a conseguir um bom resultado. Nos tempos que correm acho que nem júri nem televoto se deixam convencer por esta fórmula “pseudo-étnica”.

5 pontos


Nuno Carrilho - Depois de um sem fim de canções sem grande interesse, a Dinamarca apostou com os restos suecos... E grande aposta esta! Parecendo saída da banda sonora de Game of Thrones, " Higher Ground" tem tudo para uma grande atuação em Lisboa e o regresso aos grandes resultados do país.

10 pontos


Patrícia Gargaté - Este tema cumpre tudo a que se promete: A voz, o instrumental, o cunho épico, está tudo lá e no sítio certo. O refrão é muito orelhudo e repetido o que vai ser uma benesse para o resultado final do tema. Apesar de gostar muito da canção ainda sinto algum receio em afirmar que vai ficar bem classificada. Esta é uma daquelas canções onde não é possível definir uma previsão de resultado antecipada, mas desejo-lhe o melhor no concurso.

7 pontos


Ricardo Matias - Sinceramente, não acredito que a Dinamarca passará à final. Higher Ground é mais uma canção que remete-nos ao tradicional nórdico, contudo acho que esta canção não tem elementos que lhe permitam destacar das restantes, levando a que esteja no meio da tabela, tanto do júri como do público. Esta canção tem de apostar bastante na apresentação, mas acho que mesmo assim será muito difícil vermos a Dinamarna na final do ESC deste ano.

6 pontos


Rui Vieira - A Dinamarca traz uma canção que invoca a cultura Viking. No entanto, não sei se a mensagem será apreciada e entendida pela maioria, e apesar da sua mensagem muito tradicional, não deixa de ter sons modernos... Poderá ser uma das surpresas deste ano. Penso que se o staging for feito de maneira a acentar no tema da canção poderá se destacar das outras.

8 pontos


Sérgio Costa - A canção parece épica, ajuda a imaginar lendas dos mares do Norte associadas aos “Vikings”, cenas de batalhas e povos guerreiros do passado. Aliás, a letra fala de navios, navegação marítima e faz analogia ao gelo do hemisfério norte. A canção por si só parece muito simples, simples de mais até. Mas menos pode ser mais e, em palco, pode surpreender-nos se for associada uma boa coreografia.

4 pontos


Total: 218 pontos

3 comentário(s):

  1. Foi a primeira das 43 canções que eu ouvi na íntegra e logo me deixei prender pela sua atmosfera hostil de uma força bélica patente na apresentação dos seus intépretes, a sua ostentação rígida e imponente.Não gosto,amo.Dou:12 pontos.

    ResponderEliminar
  2. Dinamarca vai buscar inspiração na vencedora de 2006... na sua estética, imagem, elementos, vestuário, sons e coreografía transportando a Ruslana e «wild dances» para o palco da eurovisão com Rasmussen e «Higher Ground».
    Curioso que todos tenham também o mesmo cabelo comprido que os então Ucrânia 2006. Tal como em 2006 a inspiração de 2018 resultará muito bem e continua a chamar a atenção. Sons forte apelativos ao voto mas que passado mais de uma década não tem a mesma força para uma Victoria. Passa á final mas ficará perdido no vigésimo posto aproximadamente. 6 pontos.

    ResponderEliminar
  3. Dinamarca vai buscar inspiração na vencedora de 2006... na sua estética, imagem, elementos, vestuário, sons e coreografía transportando a Ruslana e «wild dances» para o palco da eurovisão com Rasmussen e «Higher Ground».
    Curioso que todos tenham também o mesmo cabelo comprido que os então Ucrânia 2006. Tal como em 2006 a inspiração de 2018 resultará muito bem e continua a chamar a atenção. Sons forte apelativos ao voto mas que passado mais de uma década não tem a mesma força para uma Victoria. Passa á final mas ficará perdido no vigésimo posto aproximadamente. 6 pontos.

    ResponderEliminar

Especiais em Destaque

 
Top